abril 2009


Estou em casa, quarta-feira à noite, sozinho com o Andre. Hoje é dia das aulas de pintura da Si, que já mencionei antes, e minha oportunidade (ou, às vezes, castigo…) de ficar com o Andre sozinho. Na verdade é um momento especial – podemos curtir a companhia um do outro de uma maneira que não acontece quando estamos os três. Pena que nos últimos três dias ele tenha estado tão chatinho.

É a idade – se bem que, ao que me lembre, meu pai dizia que a “Idade do Armário” (em que você tranca o filho no armário e só tira depois dos 18) começava só aos 12… e ele está com apenas 2. É incrível o que uma criança deste tamanho pode exigir de você. Algumas coisas são engraçadas, aliás quase todas, se você está de bom humor. Outras te dão vontade de sumir. Benditas as mães… pois tenho certeza que se dependesse dos pais, este mundo estaria muito menos povoado. Eu garanto que não aguentaria o tranco todos os dias. Olha eu morrendo de vontade de colocar um trema no “aguentaria”… eu adorava o trema. Dava um mistério especial ao Português, como as letras estranhas que existem no idioma tcheco.

Sem me sentir mal, mas chegou a hora de que mais gosto: colocá-lo na cama, porque sempre há um abraço especial, a cabeça dele deitada no meu ombro, um bye bye para a mãe ou para a Wendy, na falta daquela… e isso não tem preço… para o resto, bom… vocês já sabem. bed time

PS: acabei de falar no telefone com meu amigo Paulo Anacleto. Nos conhecemos há mais ou menos uns 20 anos, e um dos temas hoje foi o porquê de não termos nos visto tanto como gostaríamos no Brasil. Agora estamos longe, mas o sentimento de que temos um lugar especial na vida um do outro (e da Fati, da Si, dos nossos filhos) só aumentou. O mesmo sentimento que tive conversando com outro Paulo, o Chacon, meu amigo e dentista – será por acaso?? – também há 20 anos. Amigos que ficam para sempre, não importa a distância.

Anúncios

Acabei de comprar 1500 ações do meu antigo empregador (o Citibank). Ai que meda…

Pior do que está não vai ficar, e o Obama está realmente disposto a não deixar os bancos afundarem, diferentemente das montadoras. Minhas pesquisas (e meu pensamento positivo) diz que em um mês a ação dobra. Não seria nada mau, já que meus investimentos recentes tem sido desastrosos (vide a plantação de feijão)… Eu ia colocar um acento circunflexo neste TÊM por ser plural, mas se bem me lembro da recente mudança no Português, não existe mais este acento diferencial.

Aliás que bagunça. Eu pensava que era coisa de velho não acompanhar as mudanças na grafia, mas acho que desta última só vou conseguir absorver um pouco.

Hoje fui a uma loja chamada Blick (art materials) aqui na State Street, a uma quadra do escritório. A Si está tendo aulas de arte (!) no basement do nosso prédio, toda quarta-feira à noite – o que me dá duas horas sozinho com o Andre toda semana, e significa o único dia em que o coloco pra dormir. Mais sobre isso depois; estava falando mesmo é da Blick.

primeira aula, a Si produziu isto! Março 2009

primeira aula, a Si produziu isto! Março 2009

Eu nunca tinha entrado numa loja de materiais para artistas antes – talvez porque não consiga desenhar nem um Fusca para o Andre, que gosta tanto de carro. Acho que quando ele tiver uns 5 anos, já vai me dar “pau” em matéria de desenhar. Mas digo uma coisa… eu queria ser artista depois de visitar a Blick. Talvez eu me matricule também nas aulas com a Shelley – mas quem vai ficar com o bebê???

Será que os gênios da pintura teriam produzido mais e melhores obras se tivessem este gazilhão de coisas para comprar (em matéria de tintas, telas, pincéis, livros, vernizes, sprays, mega produtos químicos)???